Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Ratos de laboratório podem distorcer os resultados das pesquisas

     Os ratos têm sido fundamentais como material de pesquisa em laboratórios. Em 1940, Ernst Chain e Howard Florey começaram a trabalhar em um projeto para descobrir substâncias com propriedades antibacterianas. Após infectar oito ratos com uma suspensão letal de bactérias do gênero Streptococcus, eles injetaram penicilina em quatro dessas cobaias. Só esses quatro ratos sobreviveram. “Foi um milagre”, disse Florey. Florey e Chain isolaram, concentraram e purificaram em laboratório essa substância descoberta pelo médico e bacteriologista escocês Alexander Fleming em 1928. E na época da Segunda Guerra Mundial a penicilina foi fabricada em larga escala e salvou milhares de vidas.
Os ratos têm sido uma das bases da pesquisa médica desde o século XVI, porque são baratos para abrigar e alimentar, reproduzem-se com rapidez e são dóceis. Além disso, têm uma grande semelhança genética com os seres humanos; quase todos os genes que codificam as proteínas do corpo humano têm um correspondente nos ratos.
Mas nos últimos 10 anos diversos estudos mostraram que os ratos não reagem do mesmo modo que os seres humanos a doenças como diabetes, acidente vascular cerebral e câncer. A reação deles a queimaduras, lesões e infecções também é bem diferente. E outros fatores estão distorcendo os resultados de alguns estudos de formas imprevisíveis. Um dos casos de pesquisas com ratos relatado por Elizabeth Repasky do Roswell Park Cancer Institute em Buffalo em 2013, mostrou que os tumores cancerígenos aumentavam mais rápido em ratos que viviam em uma temperatura ambiente de 22°C, em vez de ambientes em que se sentiam melhor com a temperatura de 30°C. Outro estudo revelou que quase todos os camundongos e ratos criados em laboratórios eram sedentários e obesos e, em geral, tinham uma reação diferente dos roedores saudáveis diante de mudanças de medicamentos ou alimentares.
Agora, David Masopust da Universidade de Minnesota descreveu outro problema em um artigo publicado na revista Nature: os ratos usados em experiências de laboratório são criados em condições artificiais de limpeza. Masopust não sugere que os pesquisadores deveriam usar ratos criados em ambientes com poucos recursos de higiene em todos os seus estudos, porque seria difícil comparar experimentos de laboratórios diferentes. No entanto, em sua opinião os ratos que vivem em condições mais precárias de limpeza devem ser usados em testes de tratamentos para seres humanos, sobretudo em vacinas e em imunoterapia para o tratamento de câncer, que estimula o sistema imunológico do corpo para combater a doença.

Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//