Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

sábado, 30 de abril de 2011

QUE OS TÁRSIOS PRODUZEM ULTRASSOM

Pesquisadores descobriram que o Társio, um dos menores primatas do mundo tem habilidades ultrassônicas. Ele consegue produzir e ouvir sons que fogem do alcance da audição humana.
O Társio mede apenas 13 centímetros e traz os olhos grandes e arredondados como seu grande diferencial. Porém, infelizmente, ele está ameaçado de extinção e só pode ser encontrado em ilhas do sudeste da Ásia, como Filipinas, Sulawesi, Bornéu e Sumatra.
Segundo notícia publicada no The New York Times:
“Ele possui vida noturna e é difícil de encontrar na natureza (também não está em nenhum zoológico). Por isso, para realizar o estudo, publicado em uma edição recente do periódico Biology Letters, os pesquisadores contaram com a ajuda de caçadores-coletores das Filipinas para capturar seis társios. Em seguida, usaram equipamentos de áudio para gravar os ultrassons emitidos por eles.
‘Alguns primatas emitem sons que contêm poucos elementos de ultrassons’, afirmou Nathaniel J. Dominy, um dos autores e antropólogo da Universidade de Dartmouth. ‘Contudo, o társio emite sons inteiramente dentro da frequência ultrassônica’, afirmou.”
Os cientistas perceberam que os társios pareciam emitir sons de alta frequência quando os humanos se aproximavam, como se quisessem avisar alguém sobre o perigo. Com isso, o társio acaba de entrar na lista do pequeno número de animais que emitem ultrassons, como os gatos domésticos, algumas espécies de morcegos e roedores.
Veja o vídeo:

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


sexta-feira, 29 de abril de 2011

Cientistas consegue produzir a mais pesada porção de antimatéria


Equipe de cientistas de 12 países, inclusive do Brasil, consegue produzir a mais pesada porção de antimatéria detectada até o momento: um antinúcleo do elemento químico hélio.


Para obter 18 antinúcleos de hélio (em vermelho), os físicos precisaram colidir cerca de 1 bilhão de núcleos de ouro. (imagem: Colaboração Star)

Uma colaboração que reúne 584 cientistas de 12 países – inclusive do Brasil – acaba de anunciar feito impressionante: a produção da porção de antimatéria mais pesada até o momento. Trata-se de um antinúcleo do elemento químico hélio. O hélio ‘normal’ (no caso, matéria) tem dois prótons e dois nêutrons. A sua antimatéria é formada por dois antiprótons e dois antinêutrons.

Matéria e antimatéria têm basicamente as mesmas propriedades. A diferença marcante é no sinal invertido da carga elétrica. Assim, um antipróton tem carga negativa – bem, isso não vale para partículas sem carga, como o nêutron, cuja antimatéria continua igualmente sem carga.

Quando matéria e antimatéria se encontram, elas se autodestroem, criando energia na forma de luz.

Antimatéria assim tão ‘volumosa’ quanto a criada agora é feito raríssimo. No caso, foi necessário colidir cerca de 1 bilhão de núcleos muito pesados (ouro) para obter apenas 18 antinúcleos de hélio.

O experimento foi realizado no Laboratório Nacional Brookhaven (EUA) e seus resultados publicados no dia 24 de abril no site da revista Nature. Físicos da Universidade de São Paulo e da Universidade Estadual de Campinas participaram do estudo.

A antimatéria foi proposta pelo físico inglês Paul Dirac, depois de ele mesmo relutar em aceitar a existência de algo tão estranho. O primeiro fragmento de antimatéria descoberto foi o pósitron (ou antielétron). De lá para cá, os físicos já encontraram inumeráveis antipartículas.

Estudos assim ajudam a entender um dos maiores mistérios do universo. Por que não vemos a antimatéria por aí, espalhada pelo cosmos, em grande quantidade?

A explicação é que, no Big Bang (processo que deu origem ao universo), a natureza – por algum motivo desconhecido – privilegiou a formação de matéria em detrimento da antimatéria. Essa assimetria foi mínima. Grosso modo, a cada bilhões de partículas e antipartículas que se encontravam e se destruíam, sobrava apenas um átomo de matéria. É incrível pensar que foi esse restinho de matéria que formou tudo que vemos hoje no universo.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Tinta que some com arranhões de carros



Uma tinta de carro que, sob a ação de luz ultravioleta, é capaz de voltar ao seu estado líquido, fazendo com que os arranhões do veículo sumam.

Esse é o projeto que está sendo desenvolvido por um grupo internacional de cientistas da Case Western Reserve University, de Ohio (EUA).

O produto não é exatamente uma novidade. A fabricante de automóveis Nissan já implementou uma versão, digamos, mais primitiva em duas de suas linhas de carros.

No caso do revestimento da Case que tem polímeros e íons metálicos em sua composição, assim que deixa de receber a luz ultravioleta que o aquece, ele volta a endurecer. Uma outra vantagem é que esse processo não leva mais do que segundos.

A principal característica, segundo o estudante de graduação Mark Burnworth, que está envolvido no projeto, é a possibilidade de manusear somente uma área específica. Isto é, daria para trabalhar o arranhão de uma parte do carro sem mexer no resto da lataria.

Detalhes do estudo, que teve financiamento do Exército americano, serão publicados na revista "Nature".

Cientistas estão prevendo que três espaçonaves alienígenas gigantes, estão em direção a Terra e chegarão no início de 2012


Encontros com OVNIs continuam a aumentar, e os cientistas do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), uma organização independente, não governamental, teria feito um anúncio importante:
“Três naves espaciais gigantes, estão vindo em direção a terra. A maior delas, mede 322 km de largura. As outras duas, são um pouco menores.”
Atualmente os objetos estão passando pela órbita de Júpiter. A julgar pela sua velocidade, elas chegarão a terra, no início de 2012, disse John Malley, um especialista em extraterrestres do SETI.
As naves foram detectadas pelo sistema de busca HAARP, que está baseado no Alaska, e foi projetado para estudar o fenômeno da Aurora Boreal, (além de outros experimentos secretos). De acordo com os pesquisadores do SETI, os objetos são naves extraterrestres. Elas serão visíveis em telescópios ópticos, assim que atingir a órbita de Marte, ainda no mês de Março de 2012. O governo dos EUA teria sido informado sobre o acontecimento.
Os pesquisadores do SETI, estão há 50 anos investigando o espaço. O Professor Malley disse que eles têm demonstrado conclusivamente que "nós somos apenas os recém-chegados a este mundo vasto e inexplorado. Muitos acreditam que existem muitas outras civilizações no espaço ao lado de nossa própria civilização."
Wikileaks publicou recentemente vários documentos secretos mostrando que os oficiais da NASA e o alto escalão dos EUA, estão conscientes desses objetos e estão fazendo planos para combatê-los. Essas informações têm sido ocultadas da opinião pública dos EUA há décadas. Wikileaks também confirma que os avistamentos de OVNIs nos últimos três meses mostram que a invasão alienígena (prevista há tempos pelo SETI) já começou. As três naves espaciais marcarão o início oficial da invasão alienígena.

... Os avistamentos de OVNIs nos últimos três meses mostram que a invasão alienígena começou ...."
Malley, disse que um oficial chinês, Mao Kan,  obteve mais de 1.000 fotografias mostrando os segredos da NASA, incluindo um corpo humano encontrado  na superfície da lua. A hipótese, é que o corpo teria sido abandonado por alguma nave extraterrestre.
Dr. Ken Johnston, ex-gerente de Dados e Controle de Fotografias do Departamento do Receptor Lunar, do Laboratório da NASA, disse que os astronautas  haviam encontrado e fotografado ruínas antigas de origem artificial na Lua, e também tinham visto grandes mecanismos desconhecidos por lá.


Johnston e Mao Kan concordam que as naves alienígenas estão direcionadas para a Terra.

A partir de fevereiro de 2012, a ONU vai começar a preparar os cidadãos do mundo para o ataque de três naves,  acredita-se ser do planeta Zeeba.

domingo, 24 de abril de 2011

A origem da medalha de São Bento

É impossível fixar com precisão à época em que se começou a usar a medalha de São Bento, mas podemos determinar as circunstâncias que ajudaram sua propagação.
Em 1647, em Nattremberg, na Alemanha, umas feiticeiras, acusadas de terem feito malefícios contra os habitantes da região, foram presas por ordem da autoridade pública.
Na instrução do processo, eles declararam que suas supersticiosas maquinações sempre ficavam sem resultado nos lugares que estivesse presente a imagem da Santa Cruz; acrescentaram que nunca tinham conseguido exercer poder algum contra a abadia de Metten, de onde concluíram que tal impotência se devia a alguma Cruz que protegia aquele mosteiro.
As autoridades consultaram os Beneditinos de Metten sobre essa particularidade. Fizeram-se pesquisas na abadia e notaram-se nas paredes muitas representações da Santa Cruz, acompanhadas dos caracteres que estão reproduzidos na medalha de São Bento (veja aqui). Eram de época remota aqueles sinais, e muito tempo havia já que ninguém lhes prestava mais atenção.
Faltava explicar os tais caracteres, cujo sentido se tinha perdido; só eles é que podiam revelar a intenção com que aqueles cruzes ali haviam sido traçadas.
Depois de muitas investigações, afinal encontrou-se, na biblioteca da abadia, um manuscrito notável pela encadernação enriquecida com relíquias e pedras preciosas, o qual trazia, na primeira página, treze versos que indicavam ter sido o volume escrito e adornado por ordem do Abade Pedro, no ano de 1415.
O volume continha os Evangelhos acompanhados de outros escritos piedosos, assim como vários desenhos executados por um monge anônimo de Metten. Um dos desenhos representava São Bento, tendo na mão direita um bastão terminado por uma cruz, e na mão esquerda uma flâmula. Sobre o bastão e na flâmula liam-se precisamente os versos latinos cujas iniciais figuram hoje na medalha de São Bento.
Assim, os versos da medalha não eram simplesmente obra ignorada de um copista, as uma fórmula já honrada de certa celebridade, uma vez que só as iniciais de cada uma das palavras que os compõem se achavam pintadas em diversos lugares na abadia de Metten, em redor da imagem da Cruz; e isto desde um tempo tão remoto que, em 1647, já se tinha perdido o significado dos caracteres.
O acontecimento de Nattremberg despertou a devoção dos povos para com São Bento representado com a Santa Cruz. Foi então que, para os fiéis poderem gozar da proteção prometida aos que veneram a Santa Cruz em união com o santo Patriarca, a piedade pensou em multiplicar e propagar os augustos símbolos que se acham reunidos na medalha.
Da Alemanha, onde primeiramente se cunhou a medalha, foi-se ela espalhando com rapidez por toda Europa católica, sendo considerada pelos fiéis como uma defesa segura contra os espíritos infernais.

Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo
Segundo João

E no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro.
Correu, pois, e foi a Simão Pedro, e ao outro  discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: Levaram o Senhor do  sepulcro, e não sabemos onde o puseram.
Então Pedro saiu com o outro discípulo, e foram ao sepulcro.
E os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais apressadamente do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro.
E, abaixando-se, viu no chão os lençóis; todavia não entrou.
Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro, e viu no chão os lençóis,
E que o lenço, que tinha estado sobre a sua cabeça, não estava com os lençóis, mas enrolado num lugar à parte.
Então entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu.
Porque ainda não sabiam a Escritura, que era necessário que ressuscitasse dentre os mortos.
Tornaram, pois, os discípulos para casa.
E Maria estava chorando fora, junto ao sepulcro. Estando ela, pois, chorando, abaixou-se para o sepulcro.
E viu dois anjos vestidos de branco, assentados onde jazera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
E disseram-lhe eles: Mulher, por que choras? Ela lhes disse: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram.
E, tendo dito isto, voltou-se para trás, e viu Jesus em pé, mas não sabia que era Jesus.
Disse-lhe Jesus: Mulher, por que choras? Quem  buscas? Ela, cuidando que era o hortelão, disse-lhe: Senhor, se tu o  levaste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei.
Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, voltando-se, disse-lhe: Raboni (que quer dizer, Mestre).
Disse-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda  não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu  subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.
Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos que vira o Senhor, e que ele lhe dissera isto.
Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro  da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos  judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e  disse-lhes: Paz seja convosco.
E, dizendo isto, mostrou-lhes as suas mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram, vendo o Senhor.
Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós.
E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.
Aqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos.
Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.
Disseram-lhe, pois, os outros discípulos:  Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em  suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha  mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei.
E oito dias depois estavam outra vez os seus  discípulos dentro, e com eles Tomé. Chegou Jesus, estando as portas  fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco.
Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê  as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas  incrédulo, mas crente.
E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!
Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram.
Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro.
Estes, porém, foram escritos para que creiais  que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida  em seu nome.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

A PAIXÃO DE JESUS CRISTO SEGUNDO JOÃO




Tendo dito estas coisas, Jesus saiu com os discípulos para o outro lado da torrente do Cédron, onde havia um horto, e ali entrou com os seus discípulos. 



Judas, aquele que o ia entregar, conhecia bem o sítio, porque Jesus se reunia ali frequentemente com os discípulos. 
Judas, então, guiando o destacamento romano e os guardas ao serviço dos sumos sacerdotes e dos fariseus, munidos de lanternas, archotes e armas, entrou lá. 

Jesus, sabendo tudo o que lhe ia acontecer, adiantou-se e disse-lhes: «Quem buscais?» 
Responderam-lhe: «Jesus, o Nazareno.» Disse-lhes Ele: «Sou Eu!» E Judas, aquele que o ia entregar, também estava junto deles. 
Logo que Jesus lhes disse: 'Sou Eu!', recuaram e caíram por terra. 
E perguntou-lhes segunda vez: «Quem buscais?» Disseram-lhe: «Jesus, o Nazareno!» 
Jesus replicou-lhes: «Já vos disse que sou Eu. Se é a mim que buscais, então deixai estes ir embora.» 

Assim se cumpria o que dissera antes: 'Dos que me deste, não perdi nenhum.' 
Nessa altura, Simão Pedro, que trazia uma espada, desembainhou-a e arremeteu contra um servo do Sumo Sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O servo chamava-se Malco. 



Mas Jesus disse a Pedro: «Mete a espada na bainha. Não hei-de beber o cálice de amargura que o Pai me ofereceu?» 
Então, o destacamento, o comandante e os guardas das autoridades judaicas prenderam Jesus e manietaram-no. 
E levaram-no primeiro a Anás, porque era sogro de Caifás, o Sumo Sacerdote naquele ano. 
Caifás era quem tinha dado aos judeus este conselho: 'Convém que morra um só homem pelo povo'. 
Entretanto, Simão Pedro e outro discípulo foram seguindo Jesus. Esse outro discípulo era conhecido do Sumo Sacerdote e pôde entrar no seu palácio ao mesmo tempo que Jesus. 
Mas Pedro ficou à porta, de fora. Saiu, então, o outro discípulo que era conhecido do Sumo Sacerdote, falou com a porteira e levou Pedro para dentro. 

Disse-lhe a porteira: «Tu não és um dos discípulos desse homem?» Ele respondeu: «Não sou.» 
Lá dentro estavam os servos e os guardas, de pé, aquecendo-se à volta de um braseiro que tinham acendido, porque fazia frio. Pedro ficou no meio deles, aquecendo-se também. 

Então, o Sumo Sacerdote interrogou Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina. 
Jesus respondeu-lhe: «Eu tenho falado abertamente ao mundo; sempre ensinei na sinagoga e no templo, onde todos os judeus se reúnem, e não disse nada em segredo. 
Porque me interrogas? Interroga os que ouviram o que Eu lhes disse. Eles bem sabem do que Eu lhes falei.» 

Quando Jesus disse isto, um dos guardas ali presente deu-lhe uma bofetada, dizendo: «É assim que respondes ao Sumo Sacerdote?» 
Jesus replicou: «Se falei mal, mostra onde está o mal; mas, se falei bem, porque me bates?» 
Então, Anás mandou-o manietado ao Sumo Sacerdote Caifás. 
Entretanto, Simão Pedro estava de pé a aquecer-se. Disseram-lhe, então: «Não és tu também um dos seus discípulos?» Ele negou, dizendo: «Não sou.» 

Mas um dos servos do Sumo Sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha, disse-lhe: «Não te vi eu no horto com Ele?» 
Pedro negou Jesus de novo; e nesse instante cantou um galo. 

De Caifás, levaram Jesus à sede do governador romano. Era de manhã cedo e eles não entraram no edifício para não se contaminarem e poderem celebrar a Páscoa. 
Pilatos veio ter com eles cá fora e perguntou-lhes: «Que acusações apresentais contra este homem?» 
Responderam-lhe: «Se Ele não fosse um malfeitor, não to entregaríamos.» 


Retorquiu-lhes Pilatos: «Tomai-o vós e julgai-o segundo a vossa Lei.» «Não nos é permitido dar a morte a ninguém», disseram-lhe os judeus, em cumprimento do que Jesus tinha dito, quando explicou de que espécie de morte havia de morrer. 

Pilatos entrou de novo no edifício da sede, chamou Jesus e perguntou-lhe: «Tu és rei dos judeus?» 
Respondeu-lhe Jesus: «Tu perguntas isso por ti mesmo, ou porque outros to disseram de mim?» 
Pilatos replicou: «Serei eu, porventura, judeu? A tua gente e os sumos sacerdotes é que te entregaram a mim! Que fizeste?» 
Jesus respondeu: «A minha realeza não é deste mundo; se a minha realeza fosse deste mundo, os meus guardas teriam lutado para que Eu não fosse entregue às autoridades judaicas; portanto, o meu reino não é de cá.» 

Disse-lhe Pilatos: «Logo, Tu és rei!» Respondeu-lhe Jesus: «É como dizes: Eu sou rei! Para isto nasci, para isto vim ao mundo: para dar testemunho da Verdade. Todo aquele que vive da Verdade escuta a minha voz.» 
Pilatos replicou-lhe: «Que é a verdade?» Dito isto, foi ter de novo com os judeus e disse-lhes: «Não vejo nele nenhum crime. Mas é costume eu libertar-vos um preso na Páscoa. Quereis que vos solte o rei dos judeus?» 

Eles puseram-se de novo a gritar, dizendo: «Esse não, mas sim Barrabás!» Ora Barrabás era um salteador. 

Então, Pilatos mandou levar Jesus e flagelá-lo. 
Depois, os soldados entrelaçaram uma coroa de espinhos, cravaram-lha na cabeça e cobriram-no com um manto de púrpura; e, aproximando-se dele, diziam-lhe: «Salve! Ó Rei dos judeus!» E davam-lhe bofetadas. 
Pilatos saiu de novo e disse-lhes: «Vou trazê-lo cá fora para saberdes que eu não vejo nele nenhuma causa de condenação.» 

Então, saiu Jesus com a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Disse-lhes Pilatos: «Eis o Homem!» 
Assim que viram Jesus, os sumos sacerdotes e os seus servidores gritaram: «Crucifica-o! Crucifica-o!» Disse-lhes Pilatos: «Levai-o vós e crucificai-o. Eu não descubro nele nenhum crime.» 
Os judeus replicaram-lhe: «Nós temos uma Lei e, segundo essa Lei, deve morrer, porque disse ser Filho de Deus.» 

Quando Pilatos ouviu estas palavras, mais assustado ficou. Voltou a entrar no edifício da sede e perguntou a Jesus: «Donde és Tu?» Mas Jesus não lhe deu resposta. 
Pilatos disse-lhe, então: «Não me dizes nada? Não sabes que tenho o poder de te libertar e o poder de te crucificar?» 
Respondeu-lhe Jesus: «Não terias nenhum poder sobre mim, se não te fosse dado do Alto. Por isso, quem me entregou a ti tem maior pecado.» 
A partir daí, Pilatos procurava libertá-lo, mas os judeus clamavam: «Se libertas este homem, não és amigo de César! Todo aquele que se faz rei declara-se contra César.» 

Ouvindo estas palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora e fê-lo sentar numa tribuna, no lugar chamado Lajedo, ou Gabatá em hebraico. 

Era o dia da Preparação da Páscoa, por volta do meio-dia. Disse, então, aos judeus: «Aqui está o vosso Rei!» 
E eles bradaram: «Fora! Fora! Crucifica-o!» Disse-lhes Pilatos: «Então, hei-de crucificar o vosso Rei?» Replicaram os sumos sacerdotes: «Não temos outro rei, senão César.» 

Então, entregou-o para ser crucificado. E eles tomaram conta de Jesus. Jesus, levando a cruz às costas, saiu para o chamado Lugar da Caveira, que em hebraico se diz Gólgota, onde o crucificaram, e com Ele outros dois, um de cada lado, ficando Jesus no meio. 
Pilatos redigiu um letreiro e mandou pô-lo sobre a cruz. Dizia: «Jesus Nazareno, Rei dos Judeus.» 
Este letreiro foi lido por muitos judeus, porque o lugar onde Jesus tinha sido crucificado era perto da cidade e o letreiro estava escrito em hebraico, em latim e em grego. 
Então, os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: «Não escrevas 'Rei dos Judeus', mas sim: 'Este homem afirmou: Eu sou Rei dos Judeus.'» 
Pilatos respondeu: «O que escrevi, escrevi.» 

Os soldados, depois de terem crucificado Jesus, pegaram na roupa dele e fizeram quatro partes, uma para cada soldado, excepto a túnica. A túnica, toda tecida de uma só peça de alto a baixo, não tinha costuras. 
Então, os soldados disseram uns aos outros: «Não a rasguemos; tiremo-la à sorte, para ver a quem tocará.» Assim se cumpriu a Escritura, que diz: Repartiram entre eles as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. E foi isto o que fizeram os soldados. 
Junto à cruz de Jesus estavam, de pé, sua mãe e a irmã da sua mãe, Maria, a mulher de Clopas, e Maria Madalena. 
Então, Jesus, ao ver ali ao pé a sua mãe e o discípulo que Ele amava, disse à mãe: «Mulher, eis o teu filho!» 

Depois, disse ao discípulo: «Eis a tua mãe!» E, desde aquela hora, o discípulo acolheu-a como sua. 
Depois disso, Jesus, sabendo que tudo se consumara, para se cumprir totalmente a Escritura, disse: «Tenho sede!» 

Havia ali uma vasilha cheia de vinagre. Então, ensopando no vinagre uma esponja fixada num ramo de hissopo, chegaram-lha à boca. 

Quando tomou o vinagre, Jesus disse: «Tudo está consumado.» E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. 

Como era o dia da Preparação da Páscoa, para evitar que no sábado ficassem os corpos na cruz, porque aquele sábado era um dia muito solene, os judeus pediram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. 
Os soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e também ao outro que tinha sido crucificado juntamente. 

Mas, ao chegarem a Jesus, vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. 
Porém, um dos soldados traspassou-lhe o peito com uma lança e logo brotou sangue e água. 
Aquele que viu estas coisas é que dá testemunho delas e o seu testemunho é verdadeiro. E ele bem sabe que diz a verdade, para vós crerdes também. 

É que isto aconteceu para se cumprir a Escritura, que diz: Não se lhe quebrará nenhum osso. 
E também outro passo da Escritura diz: Hão-de olhar para aquele que trespassaram. 
Depois disto, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus, mas secretamente por medo das autoridades judaicas, pediu a Pilatos que lhe deixasse levar o corpo de Jesus. E Pilatos permitiu-lho. Veio, pois, e retirou o corpo. 

Nicodemos, aquele que antes tinha ido ter com Jesus de noite, apareceu também trazendo uma mistura de perto de cem libras de mirra e aloés. 
Tomaram então o corpo de Jesus e envolveram-no em panos de linho com os perfumes, segundo o costume dos judeus. 



No sítio em que Ele tinha sido crucificado havia um horto e, no horto, um túmulo novo, onde ainda ninguém tinha sido sepultado. 
Como para os judeus era o dia da Preparação da Páscoa e o túmulo estava perto, foi ali que puseram Jesus. 

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Feliz Páscoa




Tempo de meditar, de buscar,
de agradecer, de plantar a paz.
Tempo de oração!!!
Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos
e de ser mais irmão.
Tempo de recomeçar!
Tempo de concessão, de compromisso,
de salvação. Tempo de perdão.
Tempo de libertar, de libertação,
de passagem, de passar...
Para onde?
Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna!
Tempo de Ressurreição!!!...


Cientistas criam 'nariz eletrônico' que pode ajudar a diagnosticar câncer



Pesquisadores israelenses dizem ter desenvolvido um "nariz eletrônico" que foi capaz de identificar sinais químicos de câncer no hálito de pacientes que sofrem de tumores no pulmão e em regiões do pescoço e da cabeça.

A expectativa é de que o aparelho seja desenvolvido para, no futuro, ajudar a diagnosticar a doença, por meio de testes semelhantes aos de bafômetros, segundo um estudo preliminar publicado no periódico British Journal of Cancer.

No entanto, uma organização britânica de estudos do câncer afirma que ainda serão necessários anos de estudo até que a novidade possa ser usada em clínicas.

O estudo israelense envolvendo o "nariz eletrônico", chamado de Nano Artificial NOSE, contou com cerca de 80 voluntários, dos quais 22 sofriam de câncer nas áreas da cabeça e do pescoço (incluindo nos olhos e na boca) e 24 tinham câncer no pulmão - todos esses tipos de câncer geralmente são identificados tarde, em estágio avançado.

Também participaram 36 voluntários saudáveis. Um protótipo do "teste do bafômetro" usou um método químico para identificar resíduos do câncer presentes no hálito dos pacientes.

Segundo o estudo, o aparelho conseguiu distinguir as moléculas encontradas nos hálitos de pessoas saudáveis das presentes no hálito de pacientes com tumores.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

O Cristo e o Judas de Leonardo da Vinci

Estava o grande pintor italiano Leonardo da Vinci (1452 – 1519) executando a sua famosa “Ùltima Céia” para refeitório dos Padres Dominicanos Maria delle Grazie em Milão. Já terminara todas as pessoas dos Apóstolos, faltando-lhe ainda a de Cristo e a de Judas. Entrando certa tarde numa igreja, ouviu uma belíssima voz de homem cantar as vésperas.
- Se o rosto corresponde à voz, deve ser um rosto bonito, disse o pintor. Pouco depois descia do coro um jovem de formosas feições. Pediu-lhe da Vinci o favor de segui-lo para o seu atelier a fim de servir de modelo para a cabeça de Cristo.
Assim se fez.
- Mas onde vou achar agora uma cabeça de Judas?
Só após dois anos de procura descobriu um homem com feições horríveis, em cujo rosto as mais degradantes paixões haviam aberto sulcos horripilantes. Estava sentado no bocal de poço quando passou o pintor.
- Então me quer pintar outra vez, perguntou o homem.
Da Vinci olhou desconfiado para o interlocutor:
- Então não me conhece? Há dois anos me copiou o rosto para Cristo! Fiquei agora assim por causa dos meus vícios… Mas se precisar de mim, estou às ordens.
O pintor reconheceu que o homem tinha mesmo uma cara digna de um traidor, e copiou-lhe as feições para o seu Judas o mesmo homem para modelo de Cristo e de Judas. Coisa espantosa! A que estado podem reduzir ao corpo as paixões não vencidas! E muito pior é com a alma. A alma, imagem viva de Cristo pelo Batismo, imagem de Satanás pelo pecado mortal. Que insulto para Cristo!
 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//