Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

'INTERNET DAS COISAS' RISCO IMINENTE

Uma geladeira que coloca o leite na lista de compras quando ele está acabando, um cofre que contabiliza seu dinheiro guardado, um carro que permite transmitir música a partir da internet são exemplos de objetos inteligentes. Mas talvez eles não sejam tão espertos assim.
Essas inovações correm uma série de riscos. Recentemente, dois pesquisadores em segurança controlaram remotamente um Jeep Cherokee da Chrysler. Sentados num sofá apenas com laptops, eles fizeram com que o motor do carro, que andava ao longo de uma rodovia, se desligasse enquanto um caminhão de 18 rodas corria em direção a ele. Eles fizeram isso ao mesmo tempo em que um repórter da Wired estava dirigindo o carro. Com o conhecimento deles seria possível controlar qualquer jeep apenas com o IP do carro, seu endereço de rede na Internet.
Hackear um carro é um bom exemplo do que pode dar errado com a futura “Internet das Coisas” – objetos equipados com softwares e conectados a redes digitais.
A Internet de antigamente se destinava a conectar pessoas que já confiavam um no outro, como pesquisadores acadêmicos ou redes militares. Portanto, ele nunca teve a segurança robusta que a rede global de hoje precisa. À medida que a Internet passou de alguns milhares de usuários a mais de três bilhões, as tentativas de reforçar a segurança foram frustrados por causa do custo e dos interesses conflitantes. Conectar objetos do dia a dia vai acabar por criar a “Internet das Coisas Hackeadas”, o que, segundo a autora, é irresponsável e potencialmente catastrófico. Os hackers podem acabar com a segurança dos objetos inteligentes com um pendrive enquanto eles apagam todos os registros de seu crime.
Apesar da Chrysler ter feito um recall de 1,4 milhões de Jeeps para corrigir esta vulnerabilidade particular, a empresa levou mais de um ano para detectar o problema. Ao anunciar a correção de software, a empresa disse que nenhum defeito tinha sido encontrado. Se desligar o motor de um carro em alta velocidade a milhas de distância não qualificar um defeito, a autora diz que não sabe o que é defeito no mundo da Chrysler. E a Chrysler está longe de ser a única companhia comprometida: a BMW, a Tesla, a General Motors e muitas outras marcas de automóveis também têm sido hackeadas.
A “Internet das coisas” também é um pesadelo em relação à privacidade. Na semana passada, pesquisadores mostraram, na Def Con (conferência anual de segurança da informação) como eles poderiam hackear objetos inteligentes do cotidiano, como os monitores de bebê, termostatos e câmeras de segurança.
Portanto, se já é um aborrecimento uma geladeira normal fucionar mal, imagine hackers invadindo o software do objeto em questão. Já no caso de carros, por exemplo, os hackers são capazes de controlar o motor, a direção, e até mesmo os freios, um perigo e tanto.
Fonte-opiniao


Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//