Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

sábado, 3 de setembro de 2011

Roupas de médicos e enfermeiros têm alta contaminação por bactérias

Mais de 60 por cento dos uniformes dos médicos e enfermeiros do hospital deram positivo em teste para verificar presença de bactérias potencialmente perigosas, de acordo com um estudo publicado na edição de setembro do American Journal of Infection Control, publicação oficial da Association for Professionals in Infection Control and Epidemiology (APIC).
Uma equipe de pesquisadores liderada por Yonit Wiener-Well, do Shaare Zedek Medical Center, em Jerusalém (Israel), coletou amostras - dos bolsos e da zona abdominal onde terminam as mangas - de três peças dos uniformes de 75 enfermeiros (RNs) e 60 médicos (MD).
Eles descobriram que 65 por cento dos uniformes RN e 60 por cento dos uniformes MD, abrigavam patógenos. Desses, 21 culturas de uniformes RN e seis culturas de uniformes MD continham patógenos multirresistentes, incluindo oito culturas que cresceram com Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA). Embora os uniformes em si não constituam um risco direto de transmissão da doença, estes resultados indicam uma prevalência de cepas resistentes a antibióticos em estreita proximidade com pacientes hospitalizados.
"É importante colocar os resultados deste estudo em perspectiva. Qualquer roupa que é usada pelos seres humanos vai se tornar contaminada com microrganismos. A prevenção da infecção continua a ser a higiene das mãos, para evitar o movimento de micróbios a partir dessas superfícies com pacientes. Novas evidências, como este estudo realizado por Wiener-Well, são úteis para melhorar a compreensão das potenciais fontes de contaminação, mas, como é verdade para muitos estudos, levanta perguntas adicionais que precisam ser investigadas", disse o presidente da APIC, Russell Olmsted.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde (HAI), em alguns países em desenvolvimento, é 20 vezes maior do que nos países desenvolvidos. Mesmo em hospitais em países desenvolvidos, HAIs ocorrem com muita frequência, podendo ser mortal, e os tratamentos são caros. A prevenção da HAI é a melhor abordagem para a segurança do paciente. Prevencionistas, em colaboração com os prestadores de cuidados, pode prevenir mais da metade das HAIs, com a aplicação de práticas comprovadas de prevenção de infecções e programas de controle.

Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//