Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Mais de 30 mil venezuelanos entraram em Roraima em busca de refúgio

A crise de abastecimento na Venezuela, que tem provocado o êxodo de milhares de venezuelanos para o Brasil já é tratada no estado de Roraima como uma crise humanitária. De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, cerca de 30 mil venezuelanos já entraram na pequena cidade de Pacaraima, norte do estado e fronteira com o país vizinho.
A falta de produtos essenciais que vêm se agravando no governo do presidente Nicolás Maduro levou muitos venezuelanos a pedir asilo no Brasil. Segundo autoridades de Boa Vista, capital de Roraima, somente no primeiro semestre deste ano já foram registrados mais de 900 pedidos de refúgio no estado, enquanto no mesmo período do ano passado o número foi de 320. Os números não consideram os que chegam sem fazer o pedido formal de refúgio ou permanência regular.
Além disso, há filas que se formam de madrugada na superintendência da Policia Federal no estado para regularização de documentos e entrevistas com venezuelanos para a permanência no país já estão sendo marcadas para o início de 2018.
No entanto, a grande maioria dos que atravessam a fronteira pretendem comprar insumos básicos para reabastecer suas famílias ao retornar à Venezuela. Com isso, o fluxo em Pacaraima tem sido intenso e lojas na pequena cidade oferecem fardos de arroz, açúcar, sabonetes, papel higiênico, entre outros, com preços já marcados em bolívares (moeda oficial venezuelana).
Enquanto isso, os cerca de 11 mil habitantes da cidade roraimense já encontram problemas decorrentes do grande fluxo migratório, como a falta de cédulas de real na cidade e a disparada dos preços dos produtos básicos.
De acordo com o Estado de S. Paulo, o governo de Roraima reluta para decretar oficialmente o estado de emergência, como foi feito no Acre ante a chegada de 7,7 mil haitianos. Isso porque ao decretar emergência, seriam criadas estruturas para abrigar venezuelanos e o estado acredita que isso provocaria um aumento no fluxo.
Os setores públicos de Roraima tentam controlar a situação no estado, mas cobram colaboração da Venezuela e do próprio Brasil. “O Estado de Roraima não quer abrir mão de sua responsabilidade, mas é preciso coordenação entre Brasília e Caracas para fazer o controle fronteiriço, o cadastro e organizar o abrigo para essas pessoas”, afirma o coronel Edvaldo Amaral, comandante do Corpo de Bombeiros e também da Defesa Civil.


Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//