Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Bactérias com rênio radioativo combatem câncer


O câncer de pâncreas é uma doença terrível. Mesmo em países ricos, apenas cerca de 4% das pessoas que são diagnosticadas com esse tipo da doença permanecem vivas cinco anos depois. Nos EUA, essa é a terceira causa mais frequente de mortes por câncer entre mulheres, atrás apenas dos cânceres de pulmão e mama; entre os homens essa é a quarta causa mais frequente, atrás do câncer de pulmão, de próstata e colorretal. Infelizmente, houve pouco progresso no tratamento dessa moléstia no último quarto de século.
O câncer de pâncreas é tão letal devido ao fato de que se torna metastático muito rapidamente. A disseminação de tumores secundários pelo corpo compromete outros órgãos e se revelou impossível de interromper. Mas um grupo de pesquisadores liderado por Claudia Gravekamp do Albert Einstein College of Medicine, em Nova York, teve uma ideia intrigante para lidar com esse processo. Conforme descreveram em um artigo no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, eles planejam fazer isso ao infectar pessoas com bactérias radioativas.
Gravekamp teve esse ideia após ter descoberto que as bactérias enfraquecidas que estava usando para outros propósitos em ratos portadores de tumores, e que foram expelidas da maior parte do corpo do animal por seu sistema imunológico ao longo de alguns dias, permaneceram nos tumores. Isso se deve graças à habilidade evolutiva das células cancerígenas de suprimir as atividades do sistema imunológico ligadas a elas. Sem essa habilidade, os cânceres ficariam vulneráveis a ataques do sistema imunológico.
Logo, Gravekamp e sua equipe se deram conta de que as bactérias desenvolvidas por eles poderiam ser usadas para transportar agentes anticâncer especificamente para tumores. De início eles consideraram usar remédios, mas, seguindo o conselho de Ekaterina Dadachova, radiologista e uma das autoras do artigo, a equipe acabou anexando um isótopo de rênio às bactérias.
O rênio radioativo é comumente usado em radioterapias convencionais. A esperança de Gravekamp era que as bactérias, que se instalam no câncer, proporcionariam uma nova maneira de solucionar o maior problema da radioterapia: garantir que o tumor em si seja alvejado com vigor e minimizar a quantidade de radiação que atinge as áreas ao redor.
E foi isso, mais ou menos, o que aconteceu. As bactérias toleraram as cargas de radioatividade sem muitas queixas. Em ratos com câncer de pâncreas, uma bateria de vários tratamentos eliminou cerca de 90% dos tumores metastáticos e também provocou uma redução considerável no tumor original. Sabe-se que a mira da técnica não foi perfeita. Os rins e fígados dos animais, em particular, receberam altas doses de radiação – mais altas que aquelas que atingiram os tumores. Felizmente, isso não parece ser tão importante assim, uma vez que as altas doses de radiação recebidas pelos rins e fígado não parecem ter causado muitos danos.
Fonte-opinião


Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//