Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Bolsonaro anuncia que é candidatíssimo à disputa pela presidência em 2018

A onda conservadora que se fez presente nas eleições municipais no Rio de Janeiro e em São Paulo ganhou projeção com a recente vitória de Donald Trump sobre Hillary Clinton na batalha para ocupar a Casa Branca e, ao que tudo indica, pode se tornar uma tendência mundial.
Militar reformado em seu sexto mandato como deputado federal, o polêmico Jair Bolsonaro percebeu os novos ares e, poucas horas após a confirmação da vitória de Trump, anunciou que é candidatíssimo à disputa pela presidência da República em 2018.
Pela imprensa brasileira, Bolsonaro parabenizou Trump pela eleição – não se sabe se o sucessor de Barack Obama recebeu a mensagem. Pouco importa, o deputado federal mais votado do Rio de Janeiro deve ter identificado certas semelhanças com o bilionário americano. Se não for pelo topete, que seja pelas declarações polêmicas e retrógradas: “Gostem ou não gostem, eu sou candidato em 2018”, avisou. Defensor da tortura como uma prática legítima, processado pelo Conselho de Ética da Câmara por sua oposição aos homossexuais e autor da frase “prefiro filho morto em acidente do que homossexual” ele chega a ser um admirador do ex-apresentador do programa de TV “O Aprendiz”: “Vence aquele que lutou contra ‘tudo e todos’. Em 2018 será o Brasil no mesmo caminho”, disse otimista na conta oficial no Twitter.
Bolsonaro pode não ser um político brilhante, mas de bobo não tem nada e, antes que um aventureiro lance mão, resolveu “surfar” ele mesmo a oportunidade. Depois que líderes mundiais como Angela Merkel, François Hollande e Theresa May demonstraram preocupação com o futuro habitante do Salão Oval, Bolsonaro forçou uma barra e se ofereceu para comentar a favor de Trump – novamente como voz dissonante em relação a discursos mais ponderados. “Não sei se o Trump sabe que eu existo, mas torci pela eleição dele porque será melhor para o Brasil negociar com ele no futuro”, avaliou.
O dia da vitória do republicano norte-americano foi comemorado em dose dupla pelo parlamentar brasileiro. Por onze votos, o Conselho de Ética da Câmara decidiu que ele não quebrou o decoro ao dedicar seu voto a favor do impeachment de Dilma Rousseff ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, notável torturador durante o período da ditadura militar. Segundo o artigo 53 da Constituição, deputados e senadores são “invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”. Já em Nova York, Chicago e em Portland, manifestantes foram às ruas protestar contra a postura sexista, racista e anti-gay, não a de Bolsonaro, mas de Trump mesmo.
Autora da ação de impeachment que destituiu a presidente Dilma Rousseff, a advogada Janaina Paschoal acha que a eleição de Trump deveria abrandar a disputa entre presidenciáveis no Brasil e os planos perenes de poder: “Melhor nossos presidenciáveis trabalharem o presente”, escreveu. Que Bolsonaro não perca Janaína de vista. E vice-versa.

Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//