Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O QUE SÃO OS SANTOS ÍCONES?

Os ícones (imagens) não são meras decorações adequadas para os lugares de culto, muito menos considerados apenas como instrumento de educação visual. Para os Cristãos Ortodoxos, eles apontam para a finalidade última da criação: ser templo do Espírito Santo. Também manifestam a realidade desse processo de transfiguração do cosmos, iniciado no dia de pentecostes e que se estende a todos os aspectos da vida terrenal. O Cristão Ortodoxo quando olha para um ícone, contempla por meio dele, o mundo que existe para além do tempo e do espaço, e se assegura de que sua peregrinação na terra é unicamente o princípio de outra vida diferente e mais completa.
O ícone é um instrumento de oração, louvor e súplica e também um instrumento para glorificar o Criador. Ante os ícones nos prostramos fazendo o sinal da Cruz, acendemos velas, o incensamos e recebemos por meio dele a bênção. De sua presença obtemos força espiritual. Aquele que diz que adoramos os ícones assume prontamente uma posição contra eles. Quem estuda a história dos ícones, sabe que eles são uma presença sensível de Deus em nosso meio através do Seu Filho Unigênito, de Sua Mãe e de Seus Santos. A pessoa santifica o ícone que lhe representa. Isto significa que na Igreja Ortodoxa honramos o protótipo, transpassando às cores e às imagens para chegar à pessoa que viveu a Fé e imitar sua vida, aprendendo como se viver corretamente o Cristianismo.
Isto é o que expressa São Basílio, o Grande, quando se dirige aos iconógrafos de sua época, dizendo: “Completai com vossos dons e com vossa capacidade iconográfica, a descrição imperfeita que fiz com minhas palavras... Vossa pintura deste mártir vai mostrar a impressão em uma forma viva; vosso quadro irá aclarar, com sabedoria, o brilho da santidade no rosto deste santo falecido.”
Não é a natureza humana caída que o ícone representa, mas, sim, o novo homem; assinala a nova criação de Deus (2 Coríntios 5:17; Gálatas 6:15). A base mais importante para veneração dos ícones é a própria Encarnação do senhor e Sua Presença entre nós. Portanto, o ícone é a confissão da Encarnação de nosso senhor Jesus Cristo.
Acerca disto falou São João Damasceno: “Antigamente a iconografia não era possível porque Deus ainda não havia tomado nem carne e nem forma; mas, agora, depois de Sua Aparição em carne e de sua vida entre nós, eu pinto o Deus ao Qual posso ver, porque Se fez carne por mim. Assim, respeitarei a matéria na qual se realizou a minha salvação.”
É necessário insistir que, na Igreja Ortodoxa, não adoramos aos Santos Ícones, senão que os honramos e os veneramos. Isto é muito claro em todos os escritos dos Pais de nossa Igreja, especialmente nos Pais contemporâneos à época iconoclasta. O principal deles foi João Damasceno. Ele disse: “A veneração e honra é uma coisa e a adoração é outra coisa. Deus É Único entre tudo que existe no Céu, na Terra e debaixo da Terra, que É digno de adoração. E nós, os Ortodoxos, nos prostramos ante Ele e somente a Ele adoramos. Honramos e veneramos a seus santos pelo Espírito Santo que nos plenifica. Não esquecemos que fazemos isto conforme o desejo de nosso Senhor Jesus Cristo, que diz: Aquele que vos recebe, a mim me recebe” (Mateus 10:40).
Por - Arcipreste Mateus

Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//