Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

domingo, 21 de julho de 2013

NAVEGAÇÃO AVIÁRIA

Andorinhas viajam entre a Europa e a África. Pássaros do gênero oenanthe voam da África ao Alasca e retornam. Andorinhas-do-mar do Ártico vão de um canto do planeta ao outro todos os anos. E eles são capazes de fazê-lo, pelo menos em parte, porque contam com um sentido magnético ao quais os humanos não têm acesso.
O truque de navegação aviário mais familiar é aquele usado por pombos-correio. Como consequência, os pombos costumam estar na ponta de investigações a respeito de como a navegação aviária em geral, e o sentido magnético em particular, realmente funciona.
Eles enxergam, escutam, sentem o cheiro? Há duas teorias. Uma é que os sensores magnéticos são grãos de magnetita, uma forma de óxido de ferro que, como o nome sugere, é facilmente magnetizável. A outra é que o campo magnético da Terra afeta uma reação química em particular na retina de um modo que alcança as complexas profundezas.
         É possível, é claro, que ambas as hipóteses estejam corretas, o que faria com que os pássaros tivessem dois sentidos magnéticos, sendo que um talvez se concentrasse na detecção do norte e outro na medição da altitude. Mas há algo particularmente poético com a ideia de que mesmo parte desse misterioso sexto sentido depende de um efeito quântico ainda mais misterioso – um que Einstein em si descreveu como uma “assustadora ação à distância”.

Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//