Redes Social



twitterfacebookgoogle pluslinkedinrss feedemailhttps://www.wowapp.com/w/andrecafe/joinhttps://www.instagram.com/andrecafee/

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

¿O ativismo da internet pode se transformar em um movimento político de fato?


Quando dezenas de países se recusaram a assinar um novo tratado global de governança da internet no fim de 2012, uma ampla gama de ativistas comemorou. Eles viam o tratado, redigido sob os auspícios da União de Telecomunicações Internacional (UTI), como um instrumento que concedia a governos poderes perniciosos para se intrometer e censurar a internet. Por meses, grupos com nomes como Access Now (Acesso Já) e Fight For the Future (Lute pelo Futuro) fizeram campanha contra o tratado. As suas ações por vezes eram exageradas. Mas também são parte da razão pela qual o tratado foi rejeitado por muitos países, EUA inclusive, e portanto inutilizado.
O sucesso na conferência da UTI em Dubai coroou um grande ano para os ativistas online. Em janeiro, eles ajudaram a derrotar a legislação antipirataria que atendia aos interesses de Hollywood, mais conhecida pelo acrônimo SOPA, no Congresso americano. Um mês depois, na Europa, eles se concentraram sobre o ACTA, um tratado internacional obscuro que, ao tentar proteger os direitos de propriedade intelectual, dava pouca atenção à liberdade de expressão e à privacidade. No Brasil, eles se aproximaram mais do que muitos acreditavam de uma revolucionária constituição da rede mundial, o Marco Civil da Internet. No Paquistão eles ajudaram a adiar, talvez permanentemente, os planos de uma firewall nacional, e nas Filipinas eles fizeram campanha contra uma lei de crimes virtuais que o supremo tribunal veio a suspender.
É possível que o mundo de fato esteja testemunhando a aparição de uma consciência da internet moderna e da criação de um movimento criado em torno do potencial gerado que novas tecnologias da informação têm de fomentar a inovação e a liberdade de expressão?
A internet não é nada mais que um exercício de interconexão. Sua política, portanto, parece estimular uma convergência semelhante, e conexões entre grupos de interesse distintos que forma o movimento da rede estão de fato ficando mais fortes. Não é evidente que o tipo de pessoa que pensa no mundo em termos de sistemas operacionais se revelarão as melhores em usar esse novo potencial, ou terão os meios para proteger a liberdade e a abertura de toda a infraestrutura com a qual se importam. Mas muitos deles estão fazendo tentativas cada vez mais sérias.
Fonte - opiniaoenotcicia

Nenhum comentário:

 
BLOG DO ANDRÉ CAFÉ
SÓ JESUS SALVA
//